ENTENDENDO OS TERMOS

 

TIPO:

Tinto. Há diversos tipos de tinto, com variações de cor e de estilo, o que pode indicar se o vinho é leve ou encorpado, mais ou menos tânico e mais fresco ou vivaz.
Branco. O branco vai de um verde bem claro até um âmbar, passando pelo amarelo-dourado (branco com madeira), mais redondo, cremoso e menos ácido.
Rosado. O Vinho rosado é feito por sangria, deixando-se por algum tempo as cascas em contato com o mosto(suco de uva obtido por pisa ou prensagem). Ou pelo método “tinto vinificado em branco”: esmagam-se as uvas tintas numa prensa pneumática, da qual se extrai pouca matéria corante.
Espumante. Produto de uma segunda fermantação obtida por meio de dois métodos: autoclave (em tanques de inox) ou clássico (em garrafas), resultando em perlagens (bolhas) pela ação do gás carbônico.
Doce. Apresenta açúcar residual detectável ao paladar. É ótimo com sobremesas. Pode ser fortificado (com adição de álcool), de colheita tardia, isto é, quando a uva passa do ponto de amadurecimento no pé ou, ainda, passito, elaborado com uvas parcialmente ressecadas depois de colhidas.
Fortificado. Também chamado de generoso, é um tipo de vinho ao qual se adiciona aguardente vínica (feita a partir da destilação do mosto da uva) à produção. São exemplos o Porto (Portugal) e o Jerez (Espanha). Pode resultar num vinho fortificado tinto ou branco, doce ou seco.
CORPO
Quanto mais corpo tem o vinho, mais consistente ele é. Tem mais extrato, estrutura e potência. Para facilitar a identificação, optou-se por classificar o corpo como leve (menos concentrado, diluído), médio (bom corpo, não diluído) e encorpado.
ESTILO
Tradicional ou Moderno. O método tradicional hoje é uma exceção. A maioria dos vinhos faz parte de uma corrente atual de vinificação que inclui microoxigenação e controle de temperatura, entre outras técnicas usadas por vinícolas.
GUARDA
Beber. Contrariando o mito “quanto mais velho, melhor”, há vinhos bons para beber logo após o engarrafamento; por outro lado, há alguns poucos que estarão prontos apenas 50 anos após o engarrafamento.
Beber ou Guardar. São vinhos que já dão prazer, mas ainda não atingiram seu apogeu. São gostosos porque têm fruta, mas podem dar muito mais prazer se se tornarem mais complexos e redondos.
Guardar. É um vinho que tem potencial de envelhecimento. Provavelmente, não dará prazer se for tomado imediatamente, ainda precisa de tempo para amadurecer. São vinhos nobres, que se bebidos precocemente podem passar a impressão de ser menores, ressaltando tanino e acidez. A média de guarda desse tipo de vinho é, no mínimo, dez anos.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

DICAS E VINHOS E LUGARES

%d blogueiros gostam disto: